O cursor do mouse piscando aguardava uma resposta. Jorge estava atrasado em sua escrita. Por alguma razão ele não foi capaz de produzir a mesma carga que havia feito em meses anteriores. O cursor ainda esperava por uma resposta. Sua principal fonte de renda era escrever pornografia. Descrevendo como homens e mulheres transavam. Ele estava em seu quarto há tanto tempo escrevendo sobre sexo, que realmente esqueceu o que é o sexo. Jorge nunca tinha estado apto nas habilidades sociais. Ele havia escrito sobre inúmeras cenas em que um de seus personagens foi fodido pela mais bela das mulheres. Seus personagens foram sempre de boa aparência e elegantes, ao contrário da vida real. O cursor ainda esperava por uma resposta. Ele fechou os olhos e imaginou uma deusa vindo em seu quarto. Como ela tinha chegado lá e quem ela era, não era importante. Ele apenas estava imaginando o personagem. Ela andava com passos suaves e confiantes. Ela o cumprimentou com o seu “olá” habitual. Seus lábios estavam cobertos de batom vermelho. Ela estava usando um vestido preto sexy, que mal cobria seus enormes peitos. Eles pareciam dois botões de boas-vindas, dizendo “Aperte! Eu sou toda sua papai! Ela não andou, ela deslizou para dentro do quarto. Jorge sabia que ela não tinha nada por baixo e esse conhecimento fez seu pênis pulsar com antecipação. Ela tinha vindo para um único propósito: Foder. Ela lentamente levantou a saia do vestido, provocando Jorge. Sob seu vestido minúsculo, havia uma calcinha preta. Jorge sussurrou baixinho: “Você tem que me chupar antes de eu foder essa buceta!”. Ele tinha sonhado em dizer isso para alguma garota e ver sua reação. Sua deusa simplesmente sorriu com um olhar sedutor para ele. Ele abriu o zíper da calça e tirou seu pau duro. Ele segurou seu pênis na palma da mão suada, e ofereceu a sua deusa. “Vem cá bebê. Chupe meu pau e me diga o quanto ele é gostoso.” A deusa foi em sua direção, ajoelhando-se em frente de sua cadeira. Ela abriu a boca e engoliu todo seu pau para dentro de sua boca. Ela realmente sabia o jeito que ele gostava, então chupou e lambeu seu pênis lentamente. Ela tirou os seios do vestido e os deixou de fora. Enquanto ela chupava, Jorge acariciava os mamilos até ficarem duros. Ele segurou sua cabeça para baixo forçando-a engolir mais fundo. Ela massageava suas bolas enquanto continuava chupando seu pau. Ele estava bem perto de gozar. Ele podia sentir o orgasmo crescendo dentro dele. “Você já está pronto bebê? Eu vou deixar você gozar na minha cara!” Em sua mente, sua Deusa sugava cada gota, implorando por mais. Ela colocou seu pênis de volta em sua boca e chupou até a última gota. “Pode foder minha buceta agora?”, perguntou ela com sua voz de boneca. Jorge rasgou sua calcinha molhada, revelando seus lábios rosados. “Eu quero que você implore por meu pau bebê… “, explanou Jorge. Ele fez sinal para sua Deusa se virar. Ele ergueu o vestido e disse-lhe para se abaixar. Ela tinha uma bunda grande e firme que pedia para levar uns tapas. Jorge levantou-se da cadeira e abriu bem as nádegas da Deusa. Ele empurrou seu pau duro na bunda dela. Ele cravou os dedos em sua buceta molhada e quente, pressionando seu corpo mais perto do dele. “Você gosta desse pau não é vadia, me diga o quanto você gosta desse pau? “, questionou Jorge. “Oh bebê, eu amo seu pau duro. Eu quero seu pau duro dentro de mim. Eu quero sentir seu leite quente dentro do meu cu”, respondeu sua Deusa. Jorge penetrou mais fundo, não esperando por sua resposta. Ele sentiu seu cuzinho pingando de prazer cada vez que ele metia mais fundo. Mais uma vez, pela segunda vez naquela noite, ele iria ejacular. Em sua mente, a bunda de sua Deusa não conseguia segurar tanto leite, tanto que algumas gotas vazaram. “Implore por mais, bebê! Papai vai foder sua bucetinha. “Sua Deusa virou-se, abrindo as pernas largas, convidando ele para comer sua buceta molhada como ele fez com sua bunda. “Você me espancaria, papai? Por favor, me bate, papai, eu tenho sido uma menina muito mau!”. Jorge novamente a virou de costas e espancou-a com força. Sua bunda estava ficando vermelha com as impressões de suas mãos. Batendo nessa garota realmente o excitou. Cada vez que ele batia, ela gemia de prazer. Jorge então arrancou todo o vestido de uma só vez. Todas as mulheres deveriam gostar disso, pensou ele. “Você quer meu pau, bebê? Você tem que implorar por ele.”, Sussurrou Jorge. Ela se levantou, balançando sua bunda perto de seu rosto. Ela correu o dedo pela buceta e depois trouxe-o à boca e chupou. “Você quer provar minha buceta Papai?”, perguntou sua Deusa. Jorge agarrou seu quadril e o puxou. Ele mergulhou a língua profundamente em sua vagina e começou a chupar. Ela provou como um bom vinho caro. Precisando estar de volta dentro dela e querendo gozar, ele sentou-se na cadeira e fez um sinal para ela cavalgar no seu pau. Ela montou seu pau duro, mergulhando-o profundamente dentro de sua vagina quente. Ela cavalgava suavemente, fazendo com que seu pênis duro a penetrasse mais fundo. Ela se contorcia de prazer enquanto continuava a cavalgar no pau. Eu não quero que você goze, até que eu te diga. Você entende isso, bebê? “, disse Jorge. Sua Deusa balançou a cabeça concordando, mas ela não conseguiu segurar o orgasmo que estremeceu por todo seu corpo. Ela gemeu primeiro de prazer e depois perdeu as forças. “Papai, eu gozei. Me desculpe. Você vai me punir não é papai?”. Jorge sorriu. Tirou sua cinta da calça e prontamente sua Deusa ficou de costas na parede. Jorge então batia em sua bunda e costas por ela ter gozado antes que ele. Ele colocou sua mão entre as coxas da Deusa, sentindo sua buceta ainda quente. Seu pênis ainda estava de pé. Bater nela realmente o excitou. Ele a colocou de quatro no chão e a penetrou. Puxava seu cabelo enquanto socava seu pau com força em sua vagina. Ela gemia de prazer e pedia seu esperma dentro dela. Jorge então não aguentou e ejaculou forte por todo seu quarto. Algumas gotas atingiram a tela do computador. Quando ele abriu os olhos, sua Deusa desapareceu. Olhando para a tela, ele notou que o cursor do mouse ainda esperava por uma resposta.